Experiência de tutores abre discussão sobre adoção de animais com deficiência

Uma excelente reportagem da BÁRBARA FRANÇA:

http://www.otempo.com.br/pampulha/reportagem/dedica%C3%A7%C3%A3o-e-alegria-1.1243796

Depois de o divórcio ter levado a boxer que dividia o apartamento com o casal, Francisco Ferreira, 32, sentiu uma necessidade enorme de ter outro pet. O administrador de empresas não tinha muitos critérios para a escolha do novo companheiro, mas sabia que preferia um animal mais velho, de porte relativamente grande e, sobretudo, que fosse adotado. Ele só não sabia, até então, que a adoção que o aguardava é considerada “especial”.

Pedrita, como foi apelidada a pit bull de 11 anos, não tem uma orelha, possui um tumor nas glândulas adrenais e tem uma certa aversão ao contato com outros animais. “Descrição assim até poderia afastar alguém que estivesse em busca de um bicho para o lar, mas foi o que nos aproximou. Logo que a vi, senti que queria ser útil e dar qualidade e dignidade aos últimos anos de vida dela”, comenta Francisco, que completa neste sábado (27) dois anos ao lado de sua amiga peluda.

A iniciativa do administrador de empresas é rara. Segundo dirigentes de ONGs ligadas à defesa de cães e gatos, o preconceito e o temor de trabalho em excesso com o animal especial rondam os candidatos que se dispõem a adotar um bichinho de estimação. Mas a experiência do administrador e de tantos outros tutores que optaram por esse tipo de adoção mostra que, na maior parte dos casos, esse receio não tem muita razão de ser. Além do mais, os relatos apontam que a convivência com a limitação dos pets os levaram a se tornar pessoas melhores, mais pacientes.

São chamados “animais especiais” aqueles com problemas físicos e neurológicos, mas não somente. Idosos também entram na classificação por demandarem cuidados mais detalhados, e os animais da cor preta, por serem menos procurados em relação aos de pelo claro. De forma geral, são os bichos de estimação que menos despertam o interesse de possíveis adotantes e que, conforme Denise Menin, diretora administrativa da ONG CãoViver, de proteção animal, acabam “mofando” nos abrigos.

Segundo estimativa da campanha “#AdoteUmPetComDeficiência”, de São Paulo, em eventos de adoção, por exemplo, a rejeição aos especiais chega a 99%. Em Belo Horizonte, não existem dados do tipo, mas iniciativas como o programa “Adote Um Amigo” contabilizam cerca de cinco pets idosos ou com deficiência adotados num universo de 1.700 adoções “comuns” (veja mais na página 4).

“As pessoas ainda têm preconceito. Acreditam que esses bichinhos com alguma característica diferente dão mais trabalho e não vão oferecer a mesma alegria que os outros oferecem. Não tem nada mais equivocado que isso”, destaca Denise.

Adaptáveis

Acostumada a cuidar de gatos desde a infância, a empresária Giovanna Palmieri, 21, não percebe muita diferença no trato entre eles e a gata Safira, cega, que adotou há quatro anos. Tomar cuidado ao acariciá-la e não mudar com frequência a disposição dos móveis da casa, no entanto, são algumas das precauções que aprendeu a incluir no cotidiano.

“Como não enxerga, ela se assusta muito se chegamos por trás para tocá-la. Isso eu já aviso a qualquer um que venha nos visitar. Agora, como a gata se adapta a um certo tipo de ambiente, trocar tudo de lugar com frequência pode deixá-la estressada. Por conta da Safira, me tornei mais paciente e respeitosa”, conta ela, que também adotou, há duas semana, o Bakunin, cão sem uma pata traseira e sem um dos olhos por ter sido espancado.

Para Fernando Bretas, professor da Escola de Veterinária da UFMG, além desses cuidados, é importante evitar a presença de piscinas, buracos e escadas no caso da adoção de animais cegos. “Falamos nessas precauções simples, mas é importante destacar que os animais se adaptam muito mais que nós a determinadas situações. Já tratei casos em que o tutor não fazia nem ideia de que o animal era cego. Assim como os que não possuem uma das patas, saltam, correm e se divertem como qualquer outro”, destaca ele, chamando a atenção apenas para o tipo de piso em que o animal anda. Afinal, a aspereza pode ferir a pele sensível da pata amputada.

O que não cabe mais é, conforme o professor, acreditar que qualquer deficiência no animal é sinônimo de sofrimento e que ele, por isso, deve ser sacrificado. “Há, sim, esses casos críticos e terminais em que a atitude faz sentido, mas tais casos estão longe de ser maioria”.

Alexandra Moraes, 41, servidora federal e idealizadora do projeto Miaui, por exemplo, chegou a ser desacreditada quanto à condição da gata Mariana, resgatada após um atropelamento há quatro anos. Hoje, com insuficiência renal e uma pata dianteira inutilizada, Mariana leva uma vida comum. A única diferença é que a gata demanda exames periódicos de sangue e urina e uma “ração renal”.

Incondicional

“Me incomoda quando as pessoas comentam ‘nossa, tão linda, mas aleijada!’. Não tem esse ‘mas’, ela é linda do jeito que é e muito feliz, é a líder de todos nossos bichinhos”, enfatiza Alexandra, que também cria Aninha, uma gata surda.

Para ela, o maior prazer de ter as felinas como companhia é aprender diariamente sobre superação. “Bicho não se vitimiza. Eles contornam suas dificuldades com facilidade e não ficam pensando que são piores ou melhores. Eles apenas querem viver. Aprendo muito com eles”, afirma.

Francisco, o tutor da Pedrita, concorda. “Ela me ama do jeito que sou, por que não fazer isso por ela?”.

Gatinha faz sucesso no face

Tutora de uma gata sem as duas patas dianteiras e sem uma orelha, Renata Raffaele, 36, encontrou nas redes sociais um espaço favorável para combater o preconceito existente com relação aos animais especiais. No grupo “Esperança! – A Gatinha Mais que Feliz!!!!”, do Facebook, a bancária divulga as peripécias cotidianas de sua felina de estimação e, com isso, mostra que ela não perde em nada no quesito qualidade de vida em comparação aos outros pets.

Entre brasileiros e apaixonados por bichos oriundos de vários países do mundo, o grupo já conta com quase 5.000 membros.

“A ideia surgiu quando, há um tempo, postei uma foto da Esperança em um grupo chamado ‘Tudo Sobre Gatos’ sem mencionar suas deficiências. Algumas pessoas perceberam e começaram a me perguntar sobre seu dia a dia. Foi um sucesso e as pessoas sugeriram que eu criasse um grupo só dela”, comenta Renata, enfatizando que o preconceito das pessoas é fruto do desconhecimento acerca da realidade dos animais.

“Recebo mensagens carinhosas de pessoas que passaram a conhecer melhor a história da Esperança. Elas têm muitas dúvidas, desde como a gata se alimenta, até a forma como ela faz suas necessidades e não há nada de diferente. Não tomo nenhum cuidado especial. Quando alguém comenta que sente pena da Esperança, logo respondo que ela é feliz”, destaca.
O grupo no Facebook também se tornou um espaço para que os membros exponham a realidade de outros animais especiais, encontrem informações e compartilhem vivências.

Um olhar para o diferente

Belinha foi retirada da rua com uma pata fraturada em estado grave que, dias depois, precisou ser amputada. Resgatada pela equipe do programa “Adote um Amigo”, que realiza feiras semanais de adoção na capital, Belinha já foi e voltou para o abrigo várias vezes por falta de interesse de quem a levasse para casa. “Por casos como esse é que passamos a não levar os animais considerados especiais para os eventos de sábado. É desgastante para eles esse trajeto”, conta Leonardo Veloso, veterinário do projeto. Segundo ele, uma conversa sobre a existência de animais com deficiência e idosos ávidos por ganharem um novo lar é sempre levada a cabo com quem visita as feiras.

Denise Manin, diretora administrativa da ONG CãoViver, confirma que essa é a prática preferida das instituições que lidam com proteção animal, uma vez que ainda não existe em BH um plano efetivo de conscientização voltada para a adoção especial.
A internet também é uma alternativa e pelo menos quatro páginas do Facebook mantidas por associações de Belo Horizonte e região metropolitana são dedicadas à modalidade. “Preferimos divulgar na internet, anunciar entre pessoas conhecidas, para que elas venham até o abrigo e conheçam o animal em seu ambiente, sem estressá-los”, explica. Afinal, conforme ela, o histórico que estes animais trazem consigo demandam atenção mais detida por parte das instituições, não só com o físico, mas, também, com o psicológico</CW>.
“Muitos deles não têm patas ou são cegos e surdos porque foram espancados ou atropelados, o que configura experiências traumática”, aponta Franklin Oliveira, ativista de proteção animal e administrador de uma casa de passagem onde moram mais de cem animais e que está prestes a ser fechada por questões de custo. Bicheira e subnutrição são outros quadros comuns encontrados nos animais resgatados.
Em São Paulo, onde a campanha “#AdoteUmPet ComDeficiência” organiza eventos mensais, há sempre um revezamento entre os bichos a cada edição do evento. A ideia é que eles possam descansar, mas a iniciativa de revezá-los também tem a ver com o baixo êxito em emplacar adoções. “Levamos no máximo 20 animais por edição e conseguimos que apenas de um a cinco ganhe uma família”, conta Lívia Clozel, idealizadora da campanha em parceria com a Associação Protetora dos Animais São Francisco de Assis (Apasfa).
Lívia é tutora de uma cadela deficiente da pata traseira chamada Amora. Ela revela ser um objetivo seu expandir a campanha para várias capitais do país, inclusive Belo Horizonte. “Queremos abrir o debate sobre a adoção consciente e diminuir esse estigma de que os animais especiais são difíceis de cuidar. Muitos deles não precisam sequer de acompanhamento da deficiência”, diz.
Para adotar
Agora, uma vez escolhido o animal, o processo segue os mesmos preceitos de uma adoção “comum”, a única diferença é uma conversa mais demorada com o aspirante a tutor. “Queremos saber a respeito do ambiente em que o animal será criado, as condições do tutor em oferecer a ele uma vida digna e, nesse caso, precisamos conversar, sobretudo, sobre a capacidade da pessoa entender as limitações do animal”, explica Denise.
Lívia, por exemplo, sabe que a cadela Amora não se dá bem em lugares muito movimentados devido ao trauma de um possível espancamento e é a esse tipo de comportamento que ela se atém diariamente. “Todos nós temos nossas limitações. No caso da minha cadela, não vou levá-la a um shopping center, mas posso fazer outros passeios com ela. É preciso ter noção, mas isso não quer dizer, necessariamente, restrição”, afirma.
Feira
Informe-se O programa Adote Um Amigo realiza feiras de adoção itinerantes, todos os sábados. Lá é possível ter acesso a informações sobre os animais especiais com a equipe do programa. A feira deste sábado (27) acontece na rua Edna Quintel, 173, bairro São Bernardo, das 9h às 13h.
Onde encontrar um animal especial
Adote Uma Vida (BH e região) A página no Facebook é dedicada à adoção de animais abandonados. A Pretinha, por exemplo, usa cadeira de rodas e está pronta para a adoção. Acesse: facebook.com/ADOTE-UMA-VIDA-BH-e-região.
Animais Especiais A página compartilha animais especiais para adoção em todo Brasil e oferece dicas sobre como trocar fraldas e curativos, por exemplo. Acesse:facebook.com/animaisespeciais.
CãoViver Associação de proteção animal que conta com animais especiais em seu abrigo. É importante ir até a sede da entidade para conhecê-los de perto. Acesse: facebook.com/caoviver
Casa de passagem do Franklin Blog com informações sobre os animais do abrigo. Acesse:franklineumassis.blogspot.com.br/
O Lobo Alfa Projeto Iniciativa que busca resgatar e adotar animais abandonados. Na página também há dicas de como agir quando se encontra um bicho na rua. Acesse: facebook.com/oloboalfa.projeto.
Rockbicho Associação dedicada à proteção animal cuja página no Facebook é também um lugar de compartilhamento de animais à espera de uma adoção. Acesse: facebook.com/rockbichooficial.
Dicas 
Obstáculos Para facilitar a vida de um animal cego, Fernando Bretas, professor da Escola de Veterinária da UFMG, aconselha aos tutores morarem em ambiente de um nível só, sem degraus ou o que quer que se transforme em um obstáculo para o bicho. É bom o pet não ter acesso a áreas de piscina sem cobertura.
Artifícios Segundo Bretas, já existem produtos que objetivam tornar a vida dos animais de estimação cegos mais tranquila, como uma haste a ser
colocada na cabeça, como uma espécie de chapéu. Caso ele trombe, isso evita que o bicho se machuque. Outra alternativa é colocar em pontos específicos da casa algo que exale um perfume forte. O cheiro serve como um sinalizador de obstáculos.
Fobias Ao adotar um animal adulto, conforme Victor Rezende, psicólogo e adestrador de cães, é preciso dar tempo para que o bicho reconheça o novo ambiente e passe a confiar no tutor. No entanto, segundo ele, este tempo também é necessário para que o tutor perceba possível manifestações de fobias ou comportamentos considerados anormais no bicho. “Como não se sabe ao certo o histórico, deve-se, primeiro, deixar o animal se mostrar. Medo e agressividade são sinais de algo que não vai bem”, comenta.
Profissional Rezende recomenda que, para adotar, a pessoa já tenha tido experiências com animais de estimação e procure um profissional para auxiliar no comportamento.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Be Sociable, Share!
This entry was posted in Reportagem. Bookmark the permalink.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *